Segunda-feira, 22 de Agosto de 2005

Jorge Reis-Sá

Poema ao Filho
</br>
</br>

a Rafael Passos do Carmo Reis-Sá
</br>
</br>


Cresceste tanto que deixaste os meus braços para trás.
Dantes, chamavas e eu ia levantar-te do berço, preocupado
com o teu choro. Deixava-a a dormir e dava-me todo a ti.
Tu, nos meus braços, deitado e tão pequeno, abraçavas-te
muito à minha preocupação. Dizias baixinho: vamos ouvir
música, quero dançar contigo até que os demónios da noite
sejam longe. E eu ia. Ia tanto como nunca, eu que nunca
dancei para ninguém. Ligava a música, colocava-a baixinho,
tão baixinho que só nós sentíamos o seu som: A rare
and blistering sun shines down on Grace Cathedral Park,
e dançávamos. Ao som da música eu era o Pai, ao som da
música tu eras o Filho. Dançávamos como dois anjos, sabes?,
mas isso não te digo porque é muito expressivo e fica mal
no Poema. Dançávamos heróis, é mais bonito. Eu era o teu
herói, aquele que te abraçava o corpo pequeno, muito nu e
encostado a mim. Tu eras o meu herói, as mãos jovens ainda
te seguravam com a força toda do mundo. Podem dizer que
dançarias com qualquer um que te levantasse do berço e te
sossegasse o sono. Mas não. Quem diz isso nunca foi teu pai
e nunca te sentiu filho. Nós éramos um só, um lugar-comum,
eu sei, mas éramos. Eu apenas contigo nos braços, minha
única roupa, meu único conforto, minha única protecção.
Tu embrulhado em mim pela tua pequena pele, inseguro
e tímido. E a noite, a longuíssima noite, eterna noite que
eu desejava nunca terminada. O céu no seu lugar devido,
a terra no seu lugar devido, e nós, nós os dois no lugar
que devemos para sempre um ao outro: um no outro,
um para o outro como duas peças de um jogo universal.
Agora, filho, agora cresceste e saíste dos meus braços. Terás
um dia alguém que te embale o sono como eu embalei, mas
nunca este amor que nasceu comigo e desabrochou contigo,
nunca este amor que só eu, teu pai, posso oferecer ao longo da noite.

</br>
</br>
Jorge Reis-Sá
</br>
Bargos, Fevereiro de 2002

</br>
</br>

Um verdadeiro poema de um verdadeiro poeta.
</br>
Fixem este nome: Jorge Reis-Sá.
</br>
</br>

Saudações poéticas
</br>
By GoGaN^
Brilhantemente elaborado por GoGaN^ às 20:38
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De ana claudia a 23 de Agosto de 2005 às 14:15
Mesmo com uma simplicidade extrema, consegue transmitir uma emoção enorme!!! Gostei muito do poema... Expressividade acima de tudo! Muito bem Nilinho... andas a desencantar umas coisas muito porreiras! EXCELENTE! :)
De Maria do Cu a 22 de Agosto de 2005 às 20:48
Escreve bem esse Poeta e Editor de Famalicão...
Cumprimentos.

Comentar post

.Novembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.Coisas sobre nós. Nós quem? Nós os autores claro!

.Procurar coisas inúteis neste blog

 

.Coisas novas

. LONDON

. Eis o sonho, eis a vida

. A pior manhã da minha vid...

. O que de ser assim

. Férias de 23/07 a 10/08

. Special me or this-stupid...

. Dormia tão sossegado

. Malabarismos sem nexo

. Pequeno post

. Mika - Grace Kelly

.Coisas antigas

.tags

. todas as tags

.Coisas giras e tal de se visitar

blogs SAPO

.subscrever feeds